quarta-feira, 24 de setembro de 2008

INFRAERO VAI CONSTRUIR NOVO AEROPORTO EM PARAUAPEBAS

Deu na Coluna Repórter 70 de O Liberal - "A Infraero vai construir o novo aeroporto de Parauapebas. Atualmente, as aeronaves de grande porte pousam em Marabá, a cidade mais próxima daquele município".

Em Maio este blogger postou matéria sobre a não utilização do aeroporto de Carajás por parte das grandes empresas, obrigando a população de Parauapebas e municípios vizinhos a se deslocarem para Marabá para fazer uso dos serviços.

8 comentários:

DuPará disse...

Zé, essa notícia é excelente!!!!Vc sabe onde será ? Acho que o primeiro vôo simbólico será do Darci & cia.

renatinho roqueiro disse...

zé, nao tinha lido a matéria sobre o aeroporto..
deixa eu te explicar.. sobre o pouco q eu aprendi na faculdade de aviaçao, a cada decolagem o os motores são forçados mais q podem, é como se agente fosse obrigado a carregar um peso mto grande sem ter condiçoes de carregar, a diferencia é que eles sao maquinas e nós seres humanos.. pois é.. como eu ia dizendo, sao forçados e isso consome mto combustivel ainda mais o preço que é aki nessa regiao.. não é que aeronaves de médio porte (boeing 737 GOL e Airbus A320 TAM) posem aqui por causa do perigo do Aeroporto. e sim q o gasto de combustivel nao é compensado pela demanda. por exemplo, nao tem o numero de passageiros o suficiente para justificar o gasto de fazer um desvio para vir a Carajás e depois a Marabá. A questao meteorológica deve ser considerada também, mas em Carajás temos um equipamento chamado ILS que te leva praticamente a cabeceira da pista.
Outra coisa, a questao de que nao venham empresas regulares pra cá nao corresponde às autoridades e sim as próprias empresas. sao empresas particulares e se nao tiver grana, elas nao vem. é o caso da faculdade de minas q foi pra marabá, engana-se quem pensar q a vale queira engenheiros. ela quere técnicos q recebem mto menos e fazem praticamentes os mesmos trabalhos.. flw

Anônimo disse...

Tô morrendo de vontade de tomar um banho e não tem água em casa. Oh vida cruel.

Zé Dudu disse...

Renato, quando faço um pedido para intercalar os voôs que chegam e saem de Marabá com o aeroporto de CKS, eu peço para ser um dia aqui e outro em Marabá o que faz cair por terra essa sua tese de consumo de combustível. Se podemos ir para Marabá pegar o avião, pelo menos duas vezes por semana os Marabaenses tbm poderiam vir aqui. Entendeu, o que peço é um rodízio dos dias, um aqui, outro lá.

renatinho roqueiro disse...

zé, a maior demanda com relaçao a vôos aqui nessa regiao é em Belem, o desvio que a aeronave faz até marabá é menos do q o desvio q faz vindo até carajás.. é diferente do caso de santarém q está em cima da aerovia q liga Belem a Manaus. Concordo contigo q se podemos ir lá.. eles também tem q vir aki... mas a teoria de gasto de combustivel nao cai.. a aeronave gasta sim mais combustivel na decolagem pois os motores sao forçados ao limite máximo... mas isso nao é questao politica.. se as empresas nao quiserem vir pra cá.. nao tem jeito...

Anônimo disse...

Caro amigo Renatinho Roqueiro, pelo jeito o nosso amigo não quer essa explicação. O que ele quer mesmo é encontrar em quem por a culpa, de preferência, na Vale, portanto, não adianta explicar mais nada. Deixe como está.

Eldan de Lima Nato disse...

Sei que o assunto é outro, mas discordo do amigo Renatinho, quando exemplifica a questão da faculdade de engenharia de minas. A demanda por técnicos realmente é maior, mas todos os bons engenheiros de minas que se formarem na nossa região serão contratados, seja na Vale ou em outras mineradoras. Os serviços de técnicos e engenheiros são bem diferentes.
Abraço!

Anônimo disse...

Êpa!! o Renatinho tá certo sim quando diz q o interesse da VALE é investir só em curso técnico na região... e a lógica é a seguinte: o investimento para um curso superior (Engenharia de Minas e Geologia) é bem maior do que para os cursos técnicos, correto? Compensa mais para a Companhia trazer uma meia dúzia de engenheiros e geólogos de fora e garantir todo o seu custeio. O mesmo já não compensaria para os técnicos.. A Companhia dar um mero apoio às escolas técnicas, que por sua vez formarão centenas ou milhares de jovens que disputarão as não muitas vagas existentes.
E tem mais: os maiores cabeças pensantes dos projetos são esses Engenheiros. A VALE quer os melhores no seu quadro? E quem disse que da turma daqui sairão os melhores? Pode sair 1 ou 2.. a VALE pega esses... mais 1 de RN, mais 2 de MG, 1 de SP, outro da Europa e Japão, e banca todas as suas despesas (viagens, moradia, escola p/ os filhos + alto salário). Mas é uma mão de obra que VALE a pena gastar mesmo, são os KBÇAS! Os técnicos, fazem o trabalho secundário, que é de reproduzir o que já foi traçado pelos KBÇAS. Desses vai ter dos montes aqui no Pebinha, e a VALE estimula mesmooo a aumentar o número deles... a tendência agora é se matarem disputando vagas...